Início ContraPeso Como foi ser produtora da Série Bandidos na TV

Como foi ser produtora da Série Bandidos na TV

1
0

Hélida Tavares – Jornalista que atuou na produção da Série em Manaus – 

Em 2017, quando eu coordenava o setor de Comunicação da Segurança Pública do Governo do Amazonas, ouvi falar pela primeira vez da produção da série Bandidos na TV (com o título em inglês, “Killer Ratings”). Na época fui procurada pelo diretor Daniel Bogado, que buscava alguns contatos de delegados, investigadores, coronéis e pessoas que foram envolvidas no “Caso Wallace”.

Eu contei que, na época do caso, tinha sido editora no Jornal Diário do Amazonas e acompanhei a história como jornalista, dentro de todo “frisson” de uma redação.

Conversamos por um bom tempo e eu o ajudei a encontrar alguns delegados e policiais que atuaram na Força-Tarefa responsável por investigar o caso. Mal sabia eu que toda essa articulação seria, futuramente, minha função dentro da produção da série, como produtora local.

Eu sabia que estava à frente de um diretor brilhante, mas não tinha ideia do quão genial e premiado ele era àquela altura. Imaginem o brilhantismo de um diretor em fazer um roteiro como este, após quase três anos de produção, horas e horas de gravação e análise minuciosa de milhares de documentos, como inquéritos. É algo que somente os especializados em grandes produções podem descrever.

Convite para atuar na Série Bandidos na TV

Em Outubro de 2017, Daniel me ligou para buscar novas informações e me fez o convite para atuar na produção da série, que até então não tinha nome e nem local de veiculação. É claro que eu aceitei. Um desafio e experiência com essa é algo que não podemos deixar passar.

Equipe de Manaus

Jornalista Hélida Tavares conta sua experiência de atuar na série Bandidos na TV
Jornalista Hélida Tavares conta sua experiência de atuar na série Bandidos na TV

Em Manaus, além de mim, na produção, atuaram a experiente jornalista Wania Lopes e a jornalista Ana Senna, que mesmo sendo a mais jovem, demonstrou um nível de profissionalismo e competência gigante. Os trabalhos eram divididos pelo diretor Daniel Bogado.

Além de nós, as gravações contavam com todo apoio de outros profissionais da produção, sendo a maioria da Inglaterra.

Convencer a gravar foi difícil?

Série Bandidos na TV contou com equipes de Manaus na produção
Série Bandidos na TV contou com equipes de Manaus na produção

O problema não era encontrar as pessoas “chaves”, o problema era convencer que eles gravassem para o documentário “Bandidos na TV”.

Policiais em geral, em todas as suas patentes e cargos, não gostam de dar entrevistas, ainda mais de casos tão intrigantes e de grande repercussão, como o caso Wallace.

Alguns que não queriam participar, aceitaram por amizade ou aproximação comigo, como a jornalista Paula Litaiff, que se tornou praticamente a narradora da história.

Sempre tínhamos longas conversas com as fontes, onde se ouvia novamente toda a história e, ao final, era feito o convite para um encontro com o diretor ou, dependendo da situação, já agendava a gravação.

Acompanhar as gravações e ver todo profissionalismo e foco foi uma experiência fantástica! Depois de ver a série toda entendi porque levava um, dois, três e até quadro dias gravando com o mesmo entrevistado.

Anúncio do lançamento

Por motivo de sigilo, para grande parte da equipe só foi revelado em 2019, que a série seria no Netflix. E quando recebi o e-mail informado a data de lançamento um misto de orgulho, admiração e emoção encheu meu coração.

Repercussão Bandidos na TV

Alguns colegas de produção alertaram que a repercussão seria algo gigantesco em uma cidade como Manaus, onde todo mundo se conhece, e onde o caso Wallace Souza deixou marcas de sangue.

Mas acho que é necessário falar sobre isso e sobre o causador de toda a violência em nosso Estado, que é o tráfico de drogas. Participar de grandiosa produção só me confirmou ainda mais a real necessidade de falar ao mundo para além das florestas e bichos da Amazônia.

Agora é esperar se teremos mais temporadas!

Deixe uma resposta